[Herald Interview] Compreendendo o blockchain através dos olhos do investidor

Assim como as pessoas estão se acostumando com o conceito de criptomoedas, novos termos como “DeFi”, token não fungível e metaverso se tornaram o assunto da cidade.

Enquanto um uso crescente de NFTs abre uma ampla gama de serviços virtuais no metaverso, os investidores estão vendo enormes oportunidades de negócios com essas tecnologias que podem remodelar o mundo digital. E alguns estão se movendo rapidamente para apoiar startups de blockchain novatas com novas ideias e potencial.

O Korea Herald conheceu Ethan Kim, sócio e co-fundador da Hashed, uma empresa de investimentos sul-coreana com foco em blockchain, para fornecer um melhor entendimento da nova indústria e compartilhar seus insights.

Hashed, lançado em 2017, tem liderado os interesses do mercado nas tecnologias mais recentes. Ela levantou $ 120 milhões para seu primeiro fundo de criptografia em dezembro do ano passado para apoiar projetos de blockchain.

Na entrevista, Kim disse que a tecnologia descentralizada se tornará o núcleo da economia global e, com essa crença, a empresa tem buscado projetos de blockchain globais e domésticos promissores. Atualmente, Kim é responsável pelos programas de aceleração de startups da empresa. Antes de Hashed, ele foi engenheiro e fundador da Baglecode, fabricante de jogos para celular.

A seguir está uma sessão de perguntas e respostas com Kim.

Cofundador e parceiro com hash, Ethan Kim (com hash)

Cofundador e parceiro com hash, Ethan Kim (com hash)

P: Você acha que as pessoas deveriam aproveitar agressivamente as vantagens das tecnologias de blockchain, metaverso ou criptomoeda?

R: Conhecer a tecnologia blockchain não é obrigatório, mas não custa nada aprender sobre ela. Felizmente, a geração atual de pessoas na faixa dos 40 e 50 anos está mais aberta para aceitar novas tecnologias. Uma coisa é certa: uma nova vida pode ser criada em um mundo virtual e as fronteiras estão se rompendo.

P: Como essas tecnologias podem beneficiar as pessoas?

R: Acredito que os benefícios dessa tecnologia serão semelhantes aos da Internet. A tecnologia da informação tem contribuído e continuará melhorando o acesso a uma melhor qualidade de vida. DeFi (finanças descentralizadas) e NFTs irão eliminar as restrições do mundo digital.

P: Onde estamos com a tecnologia blockchain no que diz respeito à sua aplicação na vida cotidiana?

R: Está em sua infância, mas a tecnologia ainda está provando que vale a pena para os consumidores. No entanto, deve haver mais casos aplicáveis ​​à vida real. Com o metaverso e os NFTs convergindo, ele pode criar um mercado muito maior do que agora.

P: E sobre as tendências atuais das empresas de blockchain na Coréia do Sul?

R: O que tenho observado nos últimos quatro anos é que os projetos de blockchain tendem a ser globais desde o início. Portanto, os projetos em que investimos não se limitam à Coréia. E existem muitos projetos relacionados a DeFi e NFTs. Você vê um número crescente de colecionadores de arte digital para NFTs e acho que é um período em que o público está se acostumando com o conceito. Podemos imaginar tantas possibilidades, como a exibição de NFTs em uma galeria no mundo digital, que rende uma experiência totalmente nova.

P. O Hashed passou pelo estouro da bolha do mercado de criptografia em 2018. O que aconteceu?

R: Muitos desenvolvedores coreanos desistiram de seus projetos em 2018, quando os mercados domésticos estavam repletos de incertezas devido à ameaça iminente de regulamentações mais rígidas. Os poucos que tinham fé no blockchain voltaram-se para os mercados estrangeiros. É lamentável que muitos projetos significativos tenham sido descontinuados, levando a um mercado de blockchain coreano mais dominado pelo usuário

P: Qual é a sua opinião sobre o recente frenesi da criptomoeda?

R: Os investimentos em criptografia são decisões individuais e eles têm a liberdade de investir como quisermos. Mas é necessário que haja um sistema de som que garanta confiabilidade, como um rigoroso processo de triagem ICO.

Logotipo com hash (hash)

Logotipo com hash (hash)

P. Quais são os critérios que o Hashed tem para as empresas em termos de investimento? E quais são os seus focos de investimento para 2021?

R: No ano passado, investimos em jogos, mercados e plataformas NFT. Em 2021, estamos nos concentrando em projetos relacionados a DeFi e tokens não fungíveis.

Estamos nos concentrando em como os aplicativos construídos em blockchain mudarão o comportamento humano e criarão valor.

Por exemplo, a economia de protocolo pode transformar o atual sistema de economia centralizada. A economia de protocolo se refere a um sistema econômico onde indivíduos ou grupos podem participar das atividades econômicas e receber recompensas de acordo com suas contribuições. Um exemplo é o Token de Fã do Juventus Football Club, um token utilitário que dá aos torcedores da Juventus uma parcela simbólica de influência nas decisões do clube.

P. Como ex-engenheiro, por que você decidiu se tornar um investidor?

R: Existem tantas novas possibilidades a serem exploradas na indústria. Alguns deles são muito significativos em termos de negócios. Ao mesmo tempo, tenho a oportunidade de encontrar fundadores brilhantes com os quais posso aprender e compartilhar minhas experiências como fundador de uma empresa. Ser engenheiro não o torna um investidor melhor, mas permite que você tenha uma perspectiva única e um melhor entendimento das tecnologias de TI.

P. Quais funções o Hashed deseja desempenhar no ecossistema do blockchain?

Nosso objetivo é acelerar a adoção em massa de blockchain investindo nossos próprios recursos e capacitando uma nova onda de empreendedores e inovadores. Além disso, o Hashed pode se tornar uma ponte entre os ecossistemas dos EUA e da Ásia. Os investidores e fundadores estrangeiros estão muito interessados ​​no ambiente regulatório na Coreia do Sul, bem como nos interesses dos usuários.

P. O que você sugere que as crianças aprendam para o futuro que você prevê?

R: Acho que a capacidade de se adaptar às rápidas evoluções do mundo digital é algo que a geração mais jovem deveria aprender. Uma ênfase na programação seria melhor. Quando certos empregos se tornarem obsoletos, acho que muitos criarão conteúdo e venderão esse conteúdo para sobreviver. Portanto, o pensamento criativo e a transformação desses pensamentos em um conteúdo exclusivo será uma habilidade importante no futuro.

(gypark@heraldcorp.com)

source: http://www.koreaherald.com/view.php?ud=20210602000998

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *