O MIT usa blockchain para certificar diplomas obtidos por alunos

Um candidato é muito enganador: de acordo com um estudo do Instituto Florian Mantione, 75% deles mentem para os empregadores em seus currículos. E de acordo com Robert Half, 47% dos CEOs já expulsaram um candidato do emprego depois de descobrir “Informações falsas ou exageradas em seu aplicativo”. Para evitar que os recrutadores tenham essa longa tarefa de checar os fatos de cada currículo recebido, as universidades estão experimentando novas técnicas para certificar diplomas. É o caso do MIT, que acaba de registrar no blockchain todos os diplomas obtidos pelos alunos em fevereiro.

Diplomas certificados graças ao blockchain

Bitcoin é apenas a ponta do iceberg do blockchain. Novas aplicações desta tecnologia aparecem todos os dias. Esse pensamento do MIT torna possível atender a uma forte demanda de recrutadores e candidatos honestos. A operação é bastante simples. O MIT associa um diploma (que contém imagens, texto e uma assinatura) com o identificador exclusivo de alunos de pós-graduação. Esses dados são criptografados, graças a uma chave privada do MIT, e armazenados no blockchain. Os jovens graduados podem então passar seus diplomas para recrutadores, que podem verificar a autenticidade das informações em credentials.mit.edu.

Os primeiros 100 certificados foram publicados em outubro de 2017, como parte de um programa piloto. A certificação graças ao blockchain agora é generalizada, para todos os formandos do mês de fevereiro.

Fonte: Blockcerts

Um processo rápido e seguro para recrutadores

Todo o processo é conduzido pela tecnologia Blockcerts de código aberto e seu aplicativo de mesmo nome. O aplicativo gera as chaves necessárias para atestar a posse do diploma por um determinado indivíduo. Os jovens formados se conectam, por meio do aplicativo, aos servidores do MIT para se autenticar e permitir que o instituto lhes conceda os diplomas que efetivamente obtiveram.

O facto de os diplomas se encontrarem em blockchain garante a sua autenticidade, muito mais do que em papel ou em formato digital “simples”, relativamente fácil de falsificar graças aos softwares existentes no mercado. Quando o MIT adiciona o diploma de um aluno ao blockchain, essa informação não pode mais ser alterada.

Outra vantagem é a rapidez: os recrutadores não precisam comparar um diploma autêntico com o diploma transmitido pelos candidatos. O serviço de verificação certifica automaticamente a associação entre uma pessoa e um diploma, graças a um simples link (ou arquivo) enviado pelo candidato. A ferramenta verifica instantaneamente se as informações transmitidas são idênticas às armazenadas no blockchain.

Fonte: Máquina de Aprendizagem

Qual o impacto nos profissionais do setor?

A certificação de diplomas do MIT por meio de blockchain é interessante e detalhada no site da empresa Learning Machine, que desenhou o processo. O Learning Machine está trabalhando em vários projetos de aplicativos de blockchain relacionados à certificação de informações descentralizadas. As possibilidades oferecidas por esta tecnologia são inúmeras e potencialmente impactarão muitos negócios e profissionais (neste caso específico, estamos pensando em particular nos cartórios). Como Henry Williams aponta no Wall Street Journal, a aplicação de blockchain em muitos mercados corre o risco de ser dificultada por alguns atores privados e autoridades públicas. Tudo dependerá da capacidade de resposta do legislador e da influência dos lobbies em causa.

Receba todas as notícias digitais por e-mail

source: https://www.blogdumoderateur.com/blockchain-certification-diplomes/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *